segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Grampo telefônico

Eu namorava com um, mas tava de olho no outro. E aí que o outro telefonou e eu marquei de sair com ele à tarde, no horário em que eu iria para a aula de dança. E combinei que ele me pegasse na escola de dança. E fui me aprontar toda. Na hora de sair meu pai perguntou onde eu tava indo e com quem ia me encontrar. Menti dizendo que ia pra aula e que depois o namorado ia me buscar. Então ele falou que tinha escutado na extensão e que a voz não era do namorado. Insisti que era e ele disse que então iria me acompanhar. Pânico total. O jeito foi ligar para o namorado e contar a verdade e pedir pelo amor de Deus que ele me livrasse dessa. E ele foi...
A espionagem corria solta na minha adolescência e olha que nem existia o PT ainda...

1 comentários:

Andréa disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
Mocinha arteira!!!!
Muito bom.
Beijos

Postar um comentário

Faça parte dessa estória